Belezas de Cariacica e do povo negro em pinturas no Frei Civitella.

"Quero captar essa energia das figuras africanas que muito tem a nos ensinar: há problemas mas também há o que se celebrar"


Fotos Claudio Postay

A artista plástica Cida Rosa vai inaugurar o espaço dedicado a exposições no Centro Cultural Frei Civitella, em Campo Grande. Pela primeira vez, o centro recebe uma mostra de pinturas. A mostra "Para Não Dizer que Não Falei das Cores" será aberta nesta segunda-feira (08), às 19h, e segue para visitação ao público até 8 de junho. Nas telas, a pintora coloca três aspectos que delineiam sua carreira: as belezas naturais especialmente as de Cariacica, o orgulho e a beleza do povo negro e o fascínio pela arte abstrata.

O título da exposição faz referência a uma das filosofias de vida dela. "A arte terá sempre o seu lugar para nos animar, para nos definir, mesmo em momentos de desesperança em que passamos", reforça. Isto fica evidente na série sobre as paisagens naturais da cidade. "Está mais que na hora da gente admitir que nossa cidade tem os seus encantos. Temos nossos problemas, nossos desafios mas, infelizmente, sofremos com uma vontade perversa que só admite exaltar o aspecto negativo. Meu trabalho quer se opor a isso", diferencia.


O Monte Mochuara visto a partir da orla de Porto de Santana é uma das paisagens destacadas na arte de Cida Rosa

Essa postura em prol da beleza e do fortalecimento da auto-estima passa por suas memórias afetivas envolvendo os bairros que morou em Cariacica. Morando atualmente em São Geraldo, Cida não esquece da infância passada em Porto de Santana.  Há um óleo sobre tela da nova orla da cidade, recentemente urbanizada e iluminada. Como há um trabalho muito especial: um quadro sobre uma casa pequenina numa ilha que fica na altura da entrada do bairro, próximo ao mangue. "Nessa casa, na minha infância, morava a artista plástica Nice Avanza (1938-1999), que ficou famosa pela arte primitivista e foi considerada a 'Pintora do Cacau', se tornando referência no Espírito Santo. Eu ficava admirando as pinturas dela. Foi ali meu primeiro contato com a arte e onde decidi minha carreira", relembra. Cida também inclui a Reserva de Duas Bocas na coleção.


A beleza e a força da mulher negra é outro tema da artista

A busca pelo que é belo também encontra respaldo na sua série sobre o povo negro. Mulheres esguias, com o corpo cheio de curvas sugerindo o movimento de dança ao caminhar, enfeitadas com vestidos de tecidos coloridos vivos. "Quero captar essa energia das figuras africanas que muito tem a nos ensinar: há problemas mas também há o que se celebrar", finaliza.




354 visualizações0 comentário